Seminário Transfronteiriço – Quatro Estações no Rio Tejo

Oradores: José Manuel Garcia, Pedro Flor e Paulo Almeida Fernandes | 18 e 19 de Maio | Museu de Lisboa – Palácio Pimenta | Lisboa.

Encontro organizado pelo Comité Español de Historia del Arte (CEHA) e apoiado pela Associação Portuguesa de Historiadores de Arte (APHA), o seminário é uma iniciativa integrada no Ano Europeu do Património Cultural 2018 e tem por objectivo fomentar o sentimento de pertença e respeito em relação a um património em redor do rio Tejo, elemento de coesão de uma diversidade cultural que ultrapassa fronteiras geográficas.

Consta de “quatro estações” que correspondem aos marcos patrimoniais mais representativos do Tejo: Aranjuez, Toledo, Alcântara e Lisboa. Cada um destes locais especializa-se num aspecto patrimonial concreto, nomeadamente, o mundo cortesão, a definição urbana, os territórios e paisagens, e o grande estuário lisboeta.

Em Lisboa, a 18 de Maio, no Museu de Lisboa – Palácio Pimenta, a partir das 16 horas, realizam-se as conferências (entrada livre):

“O Tejo entre Lisboa e a Torre de Belém nos séculos XVI e XVII: uma abordagem iconográfica”, por José Manuel Garcia (Gabinete de Estudos Olisiponenses);

“O Tejo visto por Gabriel del Barco: o grande panorama de Lisboa em azulejos (1698-99)”, por Pedro Flor (Universidade Aberta; Instituto de História da Arte da FCSH da Universidade Nova de Lisboa).

No dia 19 de Maio, a partir das 10h, decorre a visita orientada por Paulo Almeida Fernandes (coordenador do Museu de Lisboa – Palácio Pimenta).

“Cuatro estaciones en el rio Tajo” é a primeira actividade resultante do protocolo de cooperação assinado entre o CEHA e a APHA no quadro das relações das associações e futuros projectos em comum. O seminário tem a coordenação científica de Palma Martínez-Burgo García (Faculdad de Humanidades de Toledo, Universidad de Castilla – La Mancha).