Colóquio/Lançamento Website “Lisboa em Azulejo antes do Terramoto de 1755”

11 de Dezembro | Museu Nacional do Azulejo | Lisboa

No próximo dia 11 de dezembro de 2017, vai ser lançado no Museu Nacional do Azulejo o website intitulado “Lisboa em Azulejo antes do Terramoto de 1755”. Trata-se de um projecto de investigação do Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (IHA-NOVA/FCSH) que teve como principal objectivo o estudo aprofundado de um dos mais ricos e importantes testemunhos visuais da cidade, anterior ao terrível sismo de 1755. O “Grande panorama de Lisboa”, à guarda do Museu Nacional do Azulejo (MNAz, nº inv. 1) e de autoria do pintor Gabriel del Barco (act. 1669-1701), é um extraordinário painel azulejar com cerca de vinte e dois metros de extensão que nos mostra como era a faixa costeira junto do Tejo, entre Algés e Xabregas no final do século XVII (1698-1699). Sabemos que decorava outrora as paredes da sala mais imponente do Palácio seiscentista dos Ferreira de Macedo junto à igreja de Santiago ao Castelo.

O projecto, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), começou em 2010 e só agora vai ser revelado ao grande público, depois de vasta investigação histórica e artística sobre as várias dezenas de igrejas, conventos, palácios, quintas, fortes, baluartes, pontes, ruas e bairros de Lisboa que se encontram documentados no grandioso painel.

Sob coordenação geral de Pedro Flor, doutorado em História da Arte Moderna e docente na Universidade Aberta e membro integrado do IHA-NOVA/FCSH, onde lidera o grupo de investigação “Estudos de Lisboa”, a equipa responsável pelo desenvolvimento do projecto é constituída por vários investigadores, especialistas, colaboradores e particulares das mais diversas áreas de formação científica e tecnológica, desde a história da arte até à arquitectura e o urbanismo, sem esquecer a história da cidade de Lisboa nas múltiplas vertentes. Para a conclusão do projecto, foi indispensável contar com o inestimável apoio de vários parceiros institucionais, com particular destaque para o Museu Nacional do Azulejo / Direcção-Geral do Património Cultural, a Câmara Municipal de Lisboa, a Academia Nacional de Belas-Artes, o Arquivo Histórico do Patriarcado, a Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas / Torre do Tombo e a Fundação Calouste Gulbenkian.

+info/fonte: https://institutodehistoriadaarte.wordpress.com/2017/11/30/lancamento-lisboa-em-azulejo-antes-do-terramoto-de-1755/