APHA – Divulgação (10.II.2017)

Concursos
Estágios no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT) | Data limite: 05 de [http:/]Março
Programa de Estágios do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (PE MAAT) tem como objetivo principal proporcionar aos estudantes um aprofundamento dos seus conhecimentos técnico-científicos, através do contexto real de funcionamento do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia, em Lisboa. Pretende-se, assim, que os jovens desenvolvam capacidades pessoais de liderança, gestão de grupos, espírito de iniciativa e de equipa, compromisso e disciplina.
+info/fonte: http://fjuventude.pt/pt/destaques/1346/21-pe-maat—programa-de-estagios-do-maat–-museu-de-arte-arquitetura-e-tecnologia.aspx


Calls
International Design Organisations: Histories, Legacies, Values | Data limite: 21 de Fevereiro
conference to examine the histories, legacies and values of international design organisations in a post-industrial, post-organisational world. University of Brighton, Internationalising Design History Research Cluster Victor J. Papanek Foundation, University of Applied Arts Vienna. Organisers: Prof. Jeremy Aynsley, Tania Messell and Dora Souza Dias, Internationalising Design History Research Cluster, University of Brighton. Dr Leah Armstrong and Prof. Alison J Clarke, Victor J. Papanek Foundation, University of Applied Arts Vienna.
From industrialisation to post-industrialisation, international design organisations have shaped the socio-political, geographical and disciplinary history of design as a force for change in the world. However, the histories, legacies and values of these organisations have largely escaped academic scrutiny. This conference invites scholars from the humanities and social sciences to open out multiple perspectives on international design organisations in shaping agendas, identities and values within design and beyond. It aims to locate these histories in relation to the contemporary post-industrial and post-organisational society in which the design profession currently operates.
Ranging in scale and scope, international design organisations have taken changing forms over time. These range from membership-based organisations such as the International Council of Societies of Industrial Design (ICSID) and the International Council of Graphic Design Associations (ICOGRADA) (now Ico-D) originally formed in the mid twentieth century to represent the professions of design, to other specialist organisations and networks including the National Association of Clothing Designers (NACD) ( now IACDE), formed to promote the design industries to government and business on an international level. This conference seeks to explore the particular dynamics of these membership-based organisations and networks for the design professions. It will interrogate the internationalising agendas of these organisations and critically contextualize their impacts and legacies for contemporary design. The organisers invite authors to identify and explore the changing shape, form and function of international design organisations as an entry point into wider debates about the agency of design within geographical, political, cultural, social and economic contexts.
The following questions inform the background from which this call for papers has emerged: How can we understand the changing function of the design organisation in relation to social, economic or political transition? How has the agency of design driven political, economic and cultural goals internationally? How have design organisations been shaped by colonial and post-colonial agendas? How have design organisations engaged (or failed to engage) with the changing politics of postcolonial economies? What are the systems of exclusion within which design organisations have operated and how have these been fixed and organised, spatially and temporally? How do design organisations exist in the contemporary context of ‘dis-organised’ labour and de-professionalisation? What is the relationship between material objects and the immaterial formation of bureaucracies? What insights can the aesthetics and material culture of design organisations lend to understanding their agendas, values and visions? What is the tension between the individual and the organisation in explaining the history, legacy and value of international design organisations? What do design organisations share with other forms of international organisations, such as expert networks (INGOs and professional organisations) and international agencies (such as UNESCO)?
Emergent work in the fields of sociology, anthropology, design history and theory, design studies, cultural history, social history, gender studies, business history and social and cultural theory provide a rich context in which to pursue these questions. The organisers invite authors from these and related fields to respond to the following themes (and other suggested topics): i) International development, including concepts of progress, modernity and growth; ii) The shaping of ideas about design, industrial production and post-colonial economies in the wake of the ‘global turn’. iii) The relationship between international design organisations and national government policies, from the creative industries, design for disability, the environment and sustainability, to open policy making and design thinking; iv) De-professionalisation in design in the invention of new forms of expertise and identities; v) Issues of public engagement in the performance of design organisations for national and international audiences; vi) The relationship between design organisations, commercial interests and business.
The above aspects of international design organisations are intended to pose a wide variety of perspectives and are by no means exclusive. The organisers also particularly welcome abstracts that might identify previously overlooked organisations or issues.
Papers should be international in scope but are to be given in English.
+info/fonte: http://arts.brighton.ac.uk/research/research-events/internationalising-design-history-events/international-design-organisations-histories,-legacies,-values

Word and Image. The Second Modernist Network Cymru Conference | Data limite: 24 de Fevereiro
The National Library of Wales and the School of Art, Aberystwyth, September 12 – 13, 2017.
Modernist Network Cymru (MONC) welcomes proposals for 20-minute papers on the relationship between word and image in modernist art, literature and culture. How did modernist artists respond to literary texts? How did writers incorporate visual elements in poetry and prose? How did author and artist collaborations arise? And how did modernist texts, from collages to magazines to scrapbooks, combine word and image in radical new ways?
Over the course of two days, we aim to explore the multitudinous connections between word and image in a range of modernist texts from Wales and beyond. We invite interdisciplinary responses to any aspect of word and image in modernism, but we particularly welcome scholars working on Welsh modernist writers and artists, as well as modernist art and writing in Wales. The full story of the visual arts in Wales is only just beginning to unfold; this conference provides an opportunity to discuss future directions for research into this developing field. What should a Welsh modernist art history be, and what relationship should it have to its sister arts, especially literature?
Although we are a Welsh Network, we have an international outlook. We are interested in Welsh art and literature’s international connections, as well as how place, language and history affected experiments in word and image elsewhere, especially in other ‘small nations’.
+info/fonte: https://modernistnetworkcymru.org/2016/11/24/cfp-the-second-modernist-network-cymru-conference-word-and-image/

Education through Architecture and Work on the Self? | Data limite: 28 de Fevereiro
Interdisciplinary Workshop at the Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max-Planck-Institut, 9 – 10 June 2017.
Does architecture sensitize people not only aesthetically, but also ethically? And connected with that: Should the architect fulfil the wishes of his client and the expectations of society, or should he not rather educate them, even against their will? The history of architecture and its theories is after all rich in examples in which the educational and ethical dimension of buildings and programmes is significant. The spectrum of reflections on the inter-relation between architecture, ‘ethos’ and ‘paideia’ stretches from the rhetoric of etho-aesthetic harmony and proportion during the Renaissance, to the monuments of the baroque doctrine of affects, to the reform of architecture and man in the spirit of the Enlightenment or the ‘architecture parlante’, down to the total artwork (‘Gesamtkunstwerk’) of the ‘Jugendstil’ at the turn of the century, and the demand for the “uniformity and self-containment of form” as counterpart of the “growing neurosis of our age” (Peter Behrens, Kunst und Technik, 1910).
A frequent corollary of such reflections, the ideal of a “new man”, who ought to be stimulated through art in general and architecture in particular and lead to a new human experience, indeed a new life, also at the moral level, was a fundamental premise of Russian Constructivism, of the De Stijl movement, and of the Bauhaus itself, as inculcated by Fritz Wichert in his essay on the educational role of the new architecture (Die neue Baukunst als Erzieher, 1928). That this ideal concealed within itself negative sides, which could rapidly morph into totalitarianism, is shown by Stalinist, Rationalist/Fascist and Nazi architectural theory. After World War II, the re-animated dictate of form of classical modernism led to a postmodern architecture predicated on the promotion of plurality, complexity and contradiction. This kind of postmodernism, and its “random” character, provoked in turn the reaction of a “critical architecture”. And what about our own time? What educational, ethical and political intentions are pursued by architects today, and on what theoretical foundations are they based?
The first annual question of the five-year ‘bauhaus project’ that will culminate in the centenary of the founding of the Bauhaus in 2019 was the following: ”can design change society?” (Arch+ No. 222, 2015). This question about the transformative power of artistic design, which is in the last analysis a question of its ethical and political potential, is one we wish to limit to architecture alone. We also wish to pose the question: How far is work in architecture in Ludwig Wittgenstein’s sense a work on oneself (“working in philosophy – he said – is really more a working on oneself”), and “on one’s way of seeing things”? At the same time another question is posed which needs to be critically examined: namely, the question how far this individual ethical position is only meaningful, if it never forgets that the individual with his thought and action constitutes or “figures” society (Norbert Elias).
These connections enable us among other things to reflect on the following questions: With what formal and typological vocabulary were thought processes historically posed, structured and newly configured, and how today? How are physical movements, sensory perceptions and experiences, affections and (ethical) emotions generated, channelled, modified or transformed? From what image of man, what conceptions (beauty, symmetry, eurhythmy, proportion, rhythm, the sublime, the painterly, the aura, the atmospheric, etc.), and from what theories of perception (doctrine of affects, theory of intuitions, sensory physiology, psychophysics, gestalt psychology, etc., right down to the more recent approaches to brain, emotional and consumer research), did architects and architectural theorists start out in order to elucidate the complex relation of architecture, ‘ethos’ and ‘paideia’? The aim of the workshop is to promote a shared dialogue between historical case studies and current positions on the educational and ethical role of architecture, and to bring together art historians, architectural historians, philosophers, psychologists and others in a joint forum to discuss them.
The Kunsthistorisches Institut in Florenz – Max-Planck-Institut will cover the travel and accommodation costs incurred by the participants in conformity with the guidelines of the Federal law on travelling expenses.
+info/fonte: www.khi.fi.it/5547360/20170315

Mobility: Objects, Materials, Concepts, Actors | Data limite: 28 de Fevereiro
The German Center for Art History, Paris (Deutsches Forum für Kunstgeschichte Paris, Max Weber Foundation) and the Program Art Histories and Aesthetic Practices, Forum Transregional Studies Berlin invite applications from doctoral and postdoctoral scholars of Art History and related disciplines to participate in the Transregional Academy on Latin American Art II in Buenos Aires, Argentina on “Mobility: Objects, Materials, Concepts, Actors.” The Academy is organized in cooperation with the Centro de Investigación en Arte, Materia y Cultura at the Instituto de Investigaciones en Arte y Cultura „Dr. Norberto Griffa“ (IIAC) from the Universidad Nacional de Tres de Febrero (UNTREF). It will take place from September 30 to October 8, 2017 at the Museo de la Universidad Nacional de Tres de Febrero (MUNTREF) in Buenos Aires.
With a focus on Latin America, the Academy questions artistic interrelations within Latin America as well as those with other parts of the planet. It combines the study of transregional mobility and movement with a critical, methodological reflection. Rather than merely describing or confronting artistic traditions and tendencies, the Academy discusses the various dynamics of cultural creativity, strategies of appropriation, modalities of translation and comparison in transregional and transcultural terms. The Academy aims at a transnational and transregional exchange about concepts and characteristics of mobility. From such point of view, research concentrating on Latin America will be put in dialogue with ongoing debates regarding other regions such as Africa, the wider Americas, Asia, Europe, as well as the regions of the Atlantic and the Pacific, the Caribbean, Indian Ocean in their connectivities and within the horizon of global art histories. This also means asking if indeed there is a common epistemological base for the construction of such a global discourse, interrogating the concepts “transcultural” and “transregional” themselves. The Academy studies changes of location of objects, materials, concepts and actors. However, it does not propose doing this according to notions of impact and influence or centers and peripheries. And it critically challenges linear concepts of interpretation and exclusively comparative approaches to cultural and artistic transfer. Rather, it aims at the study of the complexity and multi-layered stratigraphies of phenomena and processes of circulation, connectivity and entanglements. In line with the debates on the concept of contact zone, the Academy questions the ideological implications of hegemonial asymmetries and concentrates on fluid histories of Latin American art. The Academy does not understand mobility as simply defining phenomena of change of location but rather as itself a process, as a basic term for a dynamic art history that argues against dichotomic narratives and static models of interpretation. A dynamic shift in art history towards “mobility” allows us to consider not only individual works of art, their production or reception, but also travelling or migrating concepts and people as well as materials, objects, and formal languages or “styles” in motion. Precisely, the synopsis of all these levels permits new insights into the complex dynamics of locomotion and displacement in their constitutive role for artistic and aesthetic practices and concerns. The Academy is not restricted to a specific period and rejects historical caesurae. This implies a critical position towards the understanding of mobility as a mainly modernist phenomenon, in the sense of an ever increasing cultural “acceleration”. The Academy rather studies “mobility” as process in all historical forms, including slow, fast as well as non-constant, or eruptive motion, and various, transregionally interrelated temporalities. This furthermore implies a critical position towards the topoi of the “global village” and the celebration of overall connectivity in the course of globalization. Such narratives have fundamental blind spots in relation to important aspects of mobility, such as forced movement or involuntary mobility, as in the case of diaspora, migration and exile. Here, and more generally, mobility has to be studied in respect to phenomena and processes in all their dimensions, including economies, objects, materials, concepts and protagonists. It is exactly the multiplicity of notions and concepts that the Academy aims to analyze in a transregional and transcultural perspective, in historiographical, discourse analytical and art critical terms. A transcultural study of mobility and dynamics of transfer touches on theories of history and aesthetics, on concepts of materiality and cultural / institutional location, modes of performativity and processuality, nature and roles of political power, communities and public spheres, aspects of networks, ways and channels of distribution and circulation, as well as on techniques and geographies of movement.
The Transregional Academy will be led by a group of scholars, among others: Gabriela Siracusano and Diana Wechsler (both UNTREF, Buenos Aires), Lena Bader and Thomas Kirchner (both DFK, Paris), Hannah Baader and Gerhard Wolf (KHI, Florenz/Max-Planck-Institut/Art Histories and Aesthetic Practices, Berlin), Jens Baumgarten (Unifesp, São Paulo), Thierry Dufrêne (Université Paris Ouest Nanterre La Défense) and Anne Lafont (Institut national d’histoire de l’art, Paris, INHA).
Transregional Academies promote intensive peer-to-peer dialogue and encourage new perspectives emerging from debates in small discussion groups. Participants actively contribute to the program’s structure and content. They present their individual research and co-design thematic discussion groups. Much of the work is conducted in an intense, small-group atmosphere. Moreover, the Academy will include discussions with experts at various locations. Up to 20 doctoral and postdoctoral scholars from different countries and various academic environments will be given the opportunity to present and discuss their current research in an international and multidisciplinary context. Participants will receive a stipend for travel and accommodation expenses. The program is aimed at scholars of art history and neighboring disciplines, such as postcolonial studies, literary and cultural studies, anthropology, architecture, history, political science, sociology, and media studies. The goal of the conference is to introduce ongoing projects in a comparative perspective in the context of the aforementioned questions. The research projects should be closely related to the topics addressed by the Academy; transregional, comparative approaches are especially welcome. The working language will be English and Spanish.
+info/fonte: www.forum-transregionale-studien.de/en/forum/news-press/news/details/article/ausschreibung-transregionale-akademie-3.html

O Centro como Margem | Data limite: 05 de Março
Universidade de Coimbra, Maio 25 – 26, 2017.
Partindo da arte e da imagem como focos essenciais de reflexão e problematização (e como definir o artístico a partir da margem?), procuram-se contributos de todas as áreas que entendam relacionar-se, estreita ou tangencialmente, com o fenómeno artístico, em toda a sua espessura histórica.
Entre os tópicos que articulam o desafio de discutir o centro como margem, que não excluem propostas marginais aos temas e questões elencadas, incluem-se os seguintes: i) Investigar (n)o limite: contributos de ordem teórica e metodológica; ii) A margem no centro, ou o centro como margem: processos, temas, objectos, personagens; iii) Os limites do Artístico: relações interartísticas, arte e imagem, ergon e parergon; iii) Transgressão e Paradoxo: (im)possibilidades; iv) Mo(n)stro: os limites do humano e a eloquência da indefinição ontológica; v) Um lugar para a margem: espaços reais, operativos e simbólicos.
+info/fonte: http://coloquiosamargem.weebly.com/call-for-papers.html

Correspondence and Information Exchange in Diplomacy (1300–1750) | Data limite: 15 de Março
Após ter passado por Bath, Budapeste, Florença, Praga e Varsóvia, a série de conferências Splendid Encounters passará em Lisboa. O Instituto de Estudos Medievais (IEM) e o Centro de História d’Aquém e d’Além-Mar (CHAM) associam?se, assim, à Premodern Diplomats Network, uma rede internacional fortemente implantada na comunidade científica e de importância muito expressiva no panorama dos estudos interdisciplinares sobre diplomacia, suas práticas e praticantes.
A sexta conferência Splendid Encounters, que decorrerá em Lisboa entre os dias 28 a 30 de Setembro, será a maior até à data e terá como título «Correspondence and Information Exchange in Diplomacy (1300-1750)». Tratando-se a recolha e transmissão de informação de um dos aspectos mais presentes neste período formativo da diplomacia, e considerando um leque de agentes muito para além da figura do “embaixador”, a conferência terá a amplitude temática e geográfica fundamental para incluir a acção diplomática entre territórios asiáticos, americanos ou africanos. Constituir-se-á, assim, o ponto de partida para uma publicação internacional a reunir trabalhos de qualidade excepcional nesta temática.
+info/fonte: www.cham.fcsh.unl.pt/ac_actividade.aspx?ActId=550

Fixar o Instante: Fotografia e Informação: Do Grand Tour ao «Big Data» | Data limite: 15 de Março
II Encontros de Fotografia\FLUP 2017.
Desde o anúncio da invenção da fotografia que um dos primeiros objetivos dos seus apologistas foi o de contribuir para registar o movimento que então florescia entre as classes mais abastadas: o Grand Tour. Porém, mesmo antes deste fluxo de viajantes que se expandia à velocidade da Revolução Industrial, já o indivíduo desejava trazer consigo provas das suas peregrinações, como fossem relíquias de santos ou artefactos de exóticos materiais. No século XIX, a fotografia substituiu, em certa medida, as relíquias e o desejo de obter, por meios nem sempre lícitos, objetos artísticos e arqueológicos. Substituiu, em parte, os diários e os álbuns de desenho. Do desejo pelo objeto passou-se ao desejo da imagem.
Quando, em 1913, o escritor modernista Mário de Sá Carneiro aludia ao «fixador de instantes», referia-se ao artista e à sua capacidade para captar o momento do desejo. Impossível não comparar tal designação com a do fotógrafo, afinal, não são as fotografias imagens de desejo e imagens-desejo? Mais do que qualquer outro, o viajante procura, através da câmara fotográfica, fixar os instantes, travar o tempo que decorre como um percurso, resgatar para a sua propriedade os lugares que visita. Hoje, cada vez mais a fotografia desempenha um papel crucial na definição da idea de consumo, em sentido lato. O digital possibilita que o mundo seja eminente e imediatamente apropriado por cliques, numa acumulação de dados ou de informação. Nesse sentido, e tendo como mote a designação dada pela ONU para 2017, como o Ano Internacional do Turismo Sustentável, propomos reflexões sobre temáticas relacionadas com a produção de imagem fotográfica, turismo e produção de informação ligadas às mais diversas atividades humanas.
Os Encontros decorrerão nos próximos dias 3 e 4 de novembro de 2017 na Faculdade de Letras.
+info/fonte: https://encontrosdefotografia.wordpress.com

Kings and Queens | Data limite: 30 de Março
The Kings & Queens conference series will be travelling to Madrid in 2017 for its sixth edition. In this occasion, we aim to connect scholars across the world whose research focuses on topics related to royal history, diplomacy, art  history, political history, biographical studies or any other  issues included in the scope of the royal studies. In particular, this edition of the Kings and Queens congress will be focused on the secondary members of royal families, such as siblings, spouses, cousins, as well as the people closest to  the king, like lovers, favourites, members of the royal entourage, etc. We look especially for studies related to figures with family ties to a monarch, who were not kings or queens in their own right, but had a significant influence in spheres such as international politics, the court, the arts, the society or dynastic strategies during their time, with the objective of obtaining a better understanding of figures that are usually in the shadow of the throne. All kind of topics related to these issues will be welcomed, from diverse chronological periods and parts of the world.
In the potential topics for papers or panels we may include, but are not limited to, the following: i) Biographical, dynastical and political studies of different members of the royal families who were not  kings or queens on their own right. ii) Power, role and importance of different people close to the monarch, like favorites, lovers, relatives with military, diplomatic or dynastic posts, ambassadors or diverse members of their entourage. iii) The relationship between power and art. Patronage, collecting and diplomatic exchanges. iv) Monarchy, high nobility and the representation of status, power and influence through art, culture and image. v) The importance of the dynasty and the “dynastic mirror”. vi) Informal power, royal favour and disfavour.
Please, remember that English will be the official language of the congress.
Also, we are pleased to announce that we offer 20 bursaries for young researchers to help them with the costs.
+info/fonte: www.royalstudiesnetwork.org/k-q-conference-series

Mudanças e Continuidades. História Global, Cultura Visual e Itinerâncias | Data limite: 31 de Março
No seguimento do I e II Workshops Internacionais “Mudanças e continuidades”, que tiveram lugar em 2014 e 2015, o Instituto de Estudos Medievais, o Centro de História d´Aquém e d´Além-Mar, o Instituto de História Contemporânea e o Instituto de História da Arte organizam o terceiro workshop intitulado “Mudanças e Continuidades. História Global, Cultura Visual e Itinerâncias”, a decorrer na FCSH-UNL, nos dias 14 e 15 de Setembro de 2017. O MeC3 irá focar três aspetos principais, que vão servir como eixos temáticos para a apresentação de comunicações, no enquadramento mais geral da interdisciplinaridade e da trans-historicidade.
Para este Workshop o Call for Papers vai abranger as seguintes três linhas de pesquisa: 1. História global – Um dos principais desafios que a História tem de enfrentar é a globalização. Os estudos de carácter nacional demonstraram a sua limitação para um entendimento correto dos fenómenos globais e da sua repercussão nas sociedades. Neste sentido,torna-se necessário definir novos parâmetros de estudo. Neste eixo temático, irão ser debatidas as questões metodológicas e teóricas aplicáveis aos estudos sobre a globalização, quer nas suas origens, quer no seu desenvolvimento, quer na actualidade. As comunicações poderão visar os seguintes temas (lista não exclusiva): estudos comparativos, evolução de fenómenos globais, processos históricos numa perspectiva diacrónica, estudos de caso no seu contexto global, economias em mudança, continuidades culturais, questões metodológicas da globalização, etc. 2. Cultura visual – O reconhecimento de que a cultura visual é parte integrante do marco teórico da história global compreende, desde logo, a necessidade de uma metodologia interdisciplinar. A problematização deste vasto campo de estudos como lugar de convergência das disciplinas procedentes de diferentes áreas das Humanidades tem como finalidade criar um espaço de diálogo entre os conceitos de “história global” e de “cultura visual”, através do uso de uma visualidade cultural. A melhor maneira de contribuirmos para a transformação do pensamento geral e das estruturas existentes é a adopção da perspectiva multidisciplinar. A investigação sobre os mecanismos de interacção cultural – subjacente a estes processos – continua a ser um problema importante, porque a construção e desconstrução da história global visual continua a ter um lugar na actualidade. Mais do que o estudo das imagens, equacionar-se-á o estudo da vida social das imagens, analisando-se os processos da construção cultural da visualidade no quadro da história global. As propostas abrangerão as seguintes questões: imagens itinerantes, fronteiras e imagens, vida social das imagens, cultura visual na história global, fontes teóricas para o estudo da imagem itinerante; estética da migração. 3. Itinerâncias – Uma das características da história global é a interconexão. Todos os elementos humanos interagem entre eles, quer passiva, quer activamente. Nesse contexto, surge um dos parâmetros de mudança mais relevantes: a itinerância da cultura e do saber. Portanto, os agentes itinerantes levam consigo uma bagagem cultural que transportam e transmitem aos outros espaços, realizando-se a interconexão e a mudança activa. A relevância do conceito deve-se à abrangência de diferentes áreas de estudo: intermediários em geral; pessoas actuando como agentes itinerantes; os materiais e objectos itinerantes; os espaços de origem e acolhimento dos elementos itinerantes (antropologia da itinerância); a representação visual, plástica ou escrita, do fenómeno da itinerância; ideias itinerantes.
Este Workshop pretende reunir investigadores de diferentes períodos cronológicos, em diferentes fases da sua investigação, e que se enquadrem nos eixos acima referidos.
+info/fonte: http://3wimec.blogspot.pt

Protesting Images, View. Theories and Practices of Visual Culture | Data limite: 30 de Abril
View. Theories and Practices of Visual Culture, issue 17: Protesting Images. Managing editors: Magda Szcześniak, Katarzyna Bojarska.
“The articulation of protest […] indicates finding a language for protest, the vocalization, the verbalization or the visualization of political protest. However, this combination of concepts also designates the structure or internal organization of protest movements,” wrote Hito Steyerl in 2002. Fifteen years later, due amongst others to the emergence of the Internet as a political tool and the growing importance of self-produced images, the dynamics of protest – its articulation and structure – has most probably changed.
In the 17th issue of “View,” we seek to examine the visual culture of protest movements – both contemporary and historical – asking about the complex, equivocal and changing relations between images and acts of resistance towards oppressive dominant cultures and those in power. Marked with a suitable hashtag, photographs of protesters, bird’s-eye (or maybe rather drone) views of street demonstrations, images of issues around which communities congregate, as well as banners, placards, and all other symbols with which people identify – all these images have the power to mobilize the public, as well as provide a way of participating. However, along with the rise of popularity of new visual genres, such as protest selfies, a familiar critique of images resurfaces. Authors of protest selfies are described as narcissistic and sharing images is often seen as a substitute for real and authentic involvement, a superficial and short-lived way of showing support. Of course, other questions should be posed. How does a protesting mutltitude, community, crowd create politically efficacious images? What sort of visual mechanisms are employed by those in power to undermine the opposition? Can artistic and post-artistic practices still provide inspiration in times of grassroots visual activism? Do protest images possess agency and what kind of rhetorical mechanisms do they employ? What is the relation between bodily acts of resistance and their visual documentations? We invite articles answering these and other questions about the relations of images and visual practices to historical and contemporary protest movements.
+info/fonte: http://pismowidok.org/index.php/one/about/submissions

Scatter!, MIT Thresholds | Data limite: 01 de Maio
Thresholds 46: SCATTER!. Editors: Anne Graziano and Eliyahu Keller.
From treatises to TED talks; postcards to propaganda; etchings to drawings, films, and blogs, architecture moves in diverse and curious ways. It is these currencies, which give architecture its agency, its authority and life. And yet, despite the varied modes of its circulation, the majority of architecture’s discursive knowledge reaches only a familiar audience. While contemporary means of information production and dispersal continue to exponentially grow and quicken, the circle of professional and discursive associations remains confined. Circulation, distribution, and access to knowledge are not exclusive matters of the discipline. Rather they extend past architectural limits to catalyze inquiries into hidden geographies and infrastructure, restricted access, and equity. The history of architecture has consistently seen innovation and subversion expand not only architectural theory and practice, but also the ways in which ideas are dispersed beyond established systems of circulation. With the understanding that architecture indeed moves within ever-changing boundaries, Thresholds 46 looks to investigate, expand and imagine the histories, futures, means and methods by which architecture gets around. If half a century ago the medium was the message, now, after dozens of new mediums have expanded the manner of conversation, we wish to ask: is the equation still so simple?  Was and is the message exclusively a product of its medium? What are the architectural histories that can inform future inventions of dispersal and distribution? And how have architects, designers, artists, and scholars employed medium with message to interrogate fields of conversation and suggest new and provocative platforms for the discussion of ideas?
We wish to look at the history of architectural dissemination, while holding our gaze to a swift, saturated and scattered connectivity. Asking, w­hat modes of circulation were employed in various periods of history to elevate and publicize an architecture? How was architecture distributed by actors and vehicles that are both foreign to its discourse or an essential part of it?  What is the power of non-architectural documents such as cartographies, letters, stamps or money in the distribution of architectural knowledge? And what can we learn from accidents in which architectural knowledge broke loose from its constraints, reaching unimagined publics and scattering to unintended realms?
Aiming to examine the scholarship, discourse and possibilities of publication, Thresholds 46 invites submissions of scholarly articles, creative contributions, and interdisciplinary investigations from art, architecture and related fields.  Topics can range from explorations of classical treatises, through architectural representations on money or postage and inquiries into divergent or accidental practices of dissemination such as agitation-vehicles, kiosks or comic books.  Furthermore, Thresholds 46 seeks an array of scattered content, welcoming innovative approaches and projects, in which architectural knowledge is to be shared and accessed. Videos, online platforms, interactive maps, posters, and postcards, augmented and virtual spaces and more – Thresholds 46 will provide a medium that welcomes content liberated from the historical format of the journal.
+info/fonte: www.facebook.com/scatter46/

Fotografia e Propaganda no Estado Novo Português, Revista Comunicação Pública | Data limite: 15 de Maio
No âmbito do Projecto Fotografia Impressa. Imagem e Propaganda em Portugal (1934-1974), está aberta a chamada de artigos e recensões para publicação no vol. 12, n.º 23 (2017) da Revista Comunicação Pública, da Escola Superior de Comunicação Social, com o fim de constituir um número especial temático sobre o tema da FOTOGRAFIA E PROPAGANDA NO ESTADO NOVO PORTUGUÊS. Editores: Filomena Serra (IHA/FCSHNOVA) | Paula André (DINÂMIA’CET-IUL-ISCTE-IUL)| Bruno Marques (IHA/FCSHNOVA).
A relação entre a fotografia e a propaganda como campo de investigação e de estudo no Estado Novo português é relativamente recente, representando um importante contributo para a discussão do modo como o regime se legitimou através das imagens fotográficas. O interesse por este campo de investigação deve-se, sobretudo, à recente abertura ao público dos arquivos fotográficos; às políticas de digitalização e à cada vez maior consciência historiográfica da importância da fotografia e dos arquivos fotográficos como fonte essencial para a investigação académica.
Este número da Revista Comunicação Pública pretende dar a conhecer as novas investigações produzidas e em curso sobre a propaganda política do Estado Novo, bem como a sua relação com a circulação e consumo das imagens fotográficas públicas por ele produzidas. Neste sentido, propõe-se analisar o modo como o regime construiu as narrativas visuais de propaganda através do medium fotográfico.
+info/fonte: https://institutodehistoriadaarte.wordpress.com/2017/02/06/call-for-papers-fotografia-e-propaganda-no-estado-novo-portugues/

A Nova Lisboa Medieval “1147-1217: Caminhos do Ocidente e do Oriente” | Data limite: 15 de Maio
Entre os dias 23 e 25 de outubro de 2017, o Instituto de Estudos Medievais (IEM) da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/NOVA) vai organizar o V Colóquio “A Nova Lisboa Medieval”. A evocação comemorativa das conquistas de Lisboa, em 1147 e de Alcácer do Sal em 1217, é o pretexto para um debate mais amplo em torno, não apenas destes acontecimentos e do seu significado e impacto, mas de todo o contexto mais vasto que os envolve e explica, na diversidade dos caminhos que se desenharam e redesenharam, tanto no espaço peninsular como no quadro mais amplo que ligava o Ocidente e o Oriente. Pretende-se, assim, lançar um olhar abrangente sobre as realidades cristã e muçulmana, muito particularmente sobre as estratégias políticas, ideológicas e militares de que ambos os mundos dispunham e sobre a forma como se expressaram em eixos de relacionamento, da convivência ou do confronto a formas mais híbridas de coexistência. Com um objecto de análise com estas características, é fundamental lançar também um olhar sobre as fontes de que dispomos para o conhecimento destas conquistas e das realidades que lhes subjazem, para as suas leituras e releituras e, em muitos casos, para os discursos identitários e as estratégias de propaganda que os nortearam ou que deles resultaram. As conquistas de 1147 e de 1217 constituem igualmente o mote para a observação do(s) impacto(s) – imediato(s) e a longo-prazo – desses episódios em mais vastos quadros político-militares, administrativos, culturais, religiosos, urbanísticos e sociais e para a identificação de rupturas e linhas de continuidade.
Secções 1. Contextos e Poderes (os poderes em confronto; os contextos cristão e muçulmano; o papado; as ordens militares; estratégias políticas e militares; conflitos e convivências; a cruzada e o caminho do Oriente). 2. Discursos e ideologias (as fontes: relatos de conquista; outra documentação escrita, epigráfica ou material; cruzada, jihad; as releituras no âmbito das ordens militares e das ordens mendicantes; a construção de discursos identitários; as estratégias de propaganda; as releituras modernas e contemporâneas da conquista). 3. Continuidades e ruturas (o impacto da conquista, tanto imediato – inclusive sobre outros lugares associados à defesa de Lisboa – como a mais longo prazo, na procura definitiva do domínio territorial cristão sobre o sul – incluindo-se aqui a conquista definitiva de Alcácer; as recomposições ao nível administrativo, religioso, político, cultural, arquitetónico e urbanístico; as evidências arqueológicas; integração e resistência – moçárabes, as minorias étnico religiosas sob dominação cristã; os caminhos, formas e dimensões do diálogo cultural).
+info/fonte: http://iem.fcsh.unl.pt/section.aspx?kind=noticia&id=1154

Encontros

Apresentação do Livro Uma Anatomia do Livro de Arquitectura | Autor: André Tavares | 11 de Fevereiro | Mosteiro da Batalha
Examinar os cruzamentos entre as culturas do livro e da arquitectura expõe eixos ao longo dos quais o conhecimento circula entre páginas e edifícios e, de novo, regressa aos livros. Seja na celebração de construções específicas ou na produção de livros singulares, as páginas e a impressão são manipuladas para transmitir ideias arquitectónicas.
Ao dissecar uma quantidade substancial de livros através de cinco ferramentas conceptuais – textura, superfície, ritmo, estrutura e escala – André Tavares analisa as qualidades materiais dos livros para avaliar a forma como se entrelaçam com o conhecimento da arquitectura. A história detalhada de Befreites Wohnen, de Sigfried Giedion, e as duas encarnações do Crystal Palace em Hyde Park e Sydenham, oferecem um pano de fundo que nos confronta não apenas com o desenvolvimento do livro industrializado, mas também com a sua configuração enquanto poderoso instrumento de comunicação e conhecimento.
Uma co-edição com o Canadian Centre for Architecture e o apoio da Graham Foundation e do Lab2PT. Versão inglesa disponível pela editora Lars Müller Publishers.
+info/fonte: www.patrimoniocultural.pt/pt/agenda/atividades-diversas/apresentacao-do-livro-uma-anatomia-do-livro-de-arquitectura/

Conferência “A Corporation Nouvelle e a Exposição de Barcelona” l Oradoras: Ana Vasconcelos e Joana Cunha Leal | 11 de Fevereiro | Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado | Lisboa
As exposições individuais de Amadeo de Souza-Cardoso, no Porto e em Lisboano final de 1916, surgem no rescaldo do cancelamento uma série de projetos concebidos por um coletivo de artistas idealizado por Robert e Sonia Delaunay, instalados em Portugal em 1915 e 1916. Corporation Nouvelle [Nova Corporação] foi o nome escolhido para esse coletivo constituído pelo casal Delaunay, Amadeo, Eduardo Viana, José Pacheko, Almada Negreiros, Blaise Cendrars, Apollinaire, entre outros artistas.
Perante este grupo, impõem-se algumas questões. Que base (técnica e formal) uniu, ou fez divergir, estes artistas? Que objetivos foram definidos inicialmente? Que estratégias de promoção e de redes internacionais se estabeleceram? E, finalmente, o que terá inviabilizado os projetos dos artistas portugueses com o casal Delaunay?
Iniciativa realizada no âmbito da Exposição AMADEO DE SOUZA-CARDOSO / PORTO LISBOA / 2016-1916.
+info/fonte: www.museuartecontemporanea.pt/pt/actividades/Amadeo-de-Souza-Cardoso-Porto-Lisboa-2016-1916

Visita “Romantismo e Naturalismo no Museu Condes de Castro Guimarães” | Orientação: José António Proença | 11 de Fevereiro | Museu Condes de Castro Guimarães | Cascais
Um percurso pela  arquitetura  de pendor romântico do edifício do museu,  a “Torre de S. Sebastião” e pelas manifestações romantico/naturalistas das coleções de pintura e escultura do seu acervo. Visita guiada pelo conservador do Museu Condes Castro Guimarães, José António Proença. Gratuito.
+info/fonte: www.cascais.pt/evento/romantismo-e-naturalismo-no-museu-condes-de-castros-guimaraes

Encontro Nacional “Arquivos e Espólios de Estabelecimentos de Ensino em Portugal” | 15 de Fevereiro | Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto
É propósito deste encontro dar a conhecer linhas de investigação associadas à História da Educação, em particular no âmbito de instituições escolares, quer no que se refere aos seus arquivos, quer aos espólios materiais e educativos das mesmas, procurando compreender os desafios e constrangimentos associados a este tipo de estudos.
O Encontro Nacional é uma das iniciativas do projeto “Contributos para uma história da Escola Normal do Porto”, integrado no InEd – Centro de Investigação e Inovação em Educação, da Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto, sendo o grupo de investigação constituído por Cristina Maia, Carla Ribeiro, Carla Queirós e Amândio Barros.
+info/fonte: http://enarquivos.ese.ipp.pt/

Lançamento do Livro Mulheres Escultoras em Portugal | Coord.: Sandra Leandro e Raquel Henriques da Silva | 15 de Fevereiro | Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado | Lisboa
obra, edição da Editora Caleidoscópio, será apresentada pelas suas coordenadoras.
+info/fonte: www.patrimoniocultural.pt/pt/agenda/atividades-diversas/lancamento-do-livro-mulheres-escultoras-de-portugal/

Workshop “Uma Casa Portuense Com Certeza: Breve História da Casa Tradicional do Porto (Séc. XIV-XVIII)” | Formador: José Ferrão Afonso | 18 e 25 de Fevereiro | Porto
Componente teórica: abordagem sintética aos dois mais importantes tipos da casa tradicional do Porto – a casa nobre e a construção vernacular – a sua arquitetura, relação com o plano urbano e materiais construtivos, entre os séculos XIV, data dos exemplares mais antigos conhecidos, e o final do século XVIII. Essa abordagem será apoiada pela exibição de imagens. Componente prática: visita ao Centro Histórico do Porto, para ter oportunidade de conhecer no local exemplares dos tipos de casa tradicional que foram abordados nas sessões teóricas.
Destinatários: estudantes da área de Conservação e Restauro, Arquitetura, Artes, Museologia e História da Arte; Conservadores-restauradores; público em geral.
Iniciativa da Escola das Artes da Universidade Católica do Porto.
+info/fonte: http://artes.porto.ucp.pt/sites/default/files/files/artes/workshops/EA_Ficha_Casa_Portuense.pdf

Visita às Gares Marítimas Alcântara e Rocha do Conde de Óbidos | Orientação: Ana Vasconcelos e Mariana Pinto dos Santos | 18 de Fevereiro | Lisboa
Almada Negreiros trabalhou de perto com arquitetos, sobretudo com Porfírio Pardal Monteiro, concebendo e executando várias obras integradas na arquitetura de edifícios. É o caso das pinturas murais nas gares marítimas de Alcântara e da Rocha do Conde de Óbidos, construídas na década de 40. As pinturas da Gare de Alcântara baseiam-se em poemas populares e na vida quotidiana de Lisboa, ao passo que as pinturas da Rocha do Conde de Óbidos são totalmente diferentes e causaram uma polémica que quase levou à sua destruição. No âmbito da exposição José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno, decorrerão visitas guiadas às gares, orientadas pelas curadoras, onde serão abordadas as histórias e as questões pictóricas suscitadas por estas importantes obras públicas.
+info/fonte: https://gulbenkian.pt/descobrir/atividade/almada-nas-gares-maritimas-alcantara-da-rocha-do-conde-obidos/?utm_source=Museu+Calouste+Gulbenkian&utm_campaign=c9c9084f30-E-news_Gulbenkian_Museu_20170201&utm_medium=email&utm_term=0_c49ee11096-c9c9084f30-220029545&mc_cid=c9c9084f30&mc_eid=fc9e007c6e

Colóquio “As Arquitecturas Modernas e a Reabilitação Urbana em Portugal” | 20 de Fevereiro | Sociedade de Geografia de Lisboa
Encontro promovido pela Secção de Estudos do Património da Sociedade de Geografia de Lisboa.
Organização: SGL / CIAUD – FAUL / ALPCA Apoios: Revista ARCHINEWS, Revista ARC, PTPC.
+info/fonte: www.socgeografialisboa.pt/?m=20170220&cat=62

Mesa Redonda “Modernismos em Rede” | 22 de Fevereiro | Fundação Calouste Gulbenkian | Lisboa
exposição José de Almada Negreiros: uma maneira de ser moderno constitui oportunidade para pensar o que vários artistas e historiadores entenderam por modernismo, quais as diferentes propostas artísticas que se reclamaram parte da modernidade, quais as ligações entre política e arte nos regimes autoritários do século XX e quais as perspetivas que diferentes gerações da comunidade artística, crítica ou de historiadores tiveram sobre os artistas ativos desde o início do século XX. São estes os temas que o ciclo de mesas-redondas se propõe debater.Este ciclo é organizado pelo Instituto de História da Arte da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
A primeira mesa redonda, subordinada ao tema “Modernismos em rede”, terá como oradores Richard Zenith, Penelope Curtis, Joana Cunha Leal.
+info/fonte: https://gulbenkian.pt/descobrir/atividade/ciclo-mesas-redondas-almada-negreiros-maneira-moderno/

Congresso Internacional “Clitemnestra, a Outra Face da Guerra” | 23 e 24 de Fevereiro | Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra
tradição consagrou, de modo preponderante, a figura de Clitemnestra como a mulher de mãos ensanguentadas pela morte de Agamémnon, fermentando, na sombra e no ardil, a vingança com Egisto, de modo a pôr em causa a continuidade da casa. Porém, já Eurípides denuncia que este perfil de Clitemnestra é, de certo modo, consequência da violência e da cobiça masculina, que lança os homens na guerra e no sacrifício dos seus, em nome de razões de estado, votando as mulheres à solidão e à vivência da perda dos próprios filhos sacrificados. A figura de Clitemnestra e a constelação mitológica a que pertence deixam, pois, um amplo e profitoso espaço de reflexão com os Antigos, ou de reescrita, porventura ainda não preenchida, sobre o lado feminino de todas as guerras.
O congresso contará com a presença de investigadores portugueses, espanhóis, italianos e argentinos que irão abordar a figura de clitemnestra sob várias perspetivas e cronologias. O congresso contará ainda com duas representações teatrais de entrada livre.
+info/fonte: https://cechfluc.wixsite.com/clitemnestra2017

Table Ronde autour du Livre Renaissance Italienne et Architecture au XIXe Siécle | 23 de Fevereiro | Académie d’Architecture | Paris, França
Centré sur les interprétations et les représentations de la Renaissance italienne au sein de la culture architecturale et de l’historiographie du XIXe siècle, ce volume sera le point de départ d’un débat plus large qu’ouvriront les interventions de la table ronde. La multiplicité des approches historiques que l’enquête menée dans cet ouvrage propose aux lecteurs – histoire de l’art et de l’architecture, histoire du patrimoine, historiographie artistique, histoire du collectionnisme, histoire de l’édition et de la photographie, histoire littéraire – devrait fournir l’assise d’une discussion développée à partir des axes thématiques et des horizons chronologiques qu’abordent les vingt-deux contributions réunies. Loin de rechercher la synthèse univoque, la publication renoue avec le genre de l’ouvrage collectif, utilisé en tant qu’outil exploratoire. Prolongeant les réflexions élaborées dans le cadre d’un séminaire international qui s’est déroulé entre 2013 et 2014 à l’École Pratique des Hautes Études de Paris et au Centro Studi sul Rinascimento de Bologne, les contributions mettent en exergue, de manière croisée, deux aspects fondateurs et complémentaires : la construction de l’idée de Renaissance entre la fin du XVIIIe et le courant du XIXe siècle, et la manière dont artistes, mécènes et savants du XIXe siècle se projettent eux-mêmes dans la période historique que désigne cette notion. En tant que révélateur essentiel de cet intérêt, l’architecture occupe une place de choix.
Largement restituée, la dimension internationale du phénomène de réappropriation de la Renaissance met par ailleurs en valeur le rôle des traditions artistiques et historiographiques des différents pays. Ces dernières privilégient des choix et des affinités qui singularisent chaque contexte. Dans ce cadre, le débat devrait mettre plus largement en perspective la question des migrations de concepts et de modèles en architecture et, pour ce qui est spécialement du contexte français, les liens mouvants de la culture artistique et architecturale locale avec les prototypes italiens, entre analyse, assimilation et critique des sources.
Intervenants: Jean-Baptiste Minnaert (Université Paris 4-Sorbonne), José de Monterroso Teixeira (Universidade Autónoma de Lisboa), Sergio Pace (Politecnico di Torino), Estelle Thibault (ENSA Paris-Belleville).
+info/fonte: www.aa.archi.fr/

Curso Livre “Grandes Batalhas da Antiguidade” | Início: 01 de Março | Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Iniciativa do Centro de História da Universidade de Lisboa, o curso que agora se apresenta procura, em sucessão cronológica, e de forma modular, apresentar e desenvolver os diversos aspectos, de ordem táctica e estratégica, em torno de um conjunto de importantes batalhas travadas no Mundo Antigo, desde o Antigo Egipto até aos finais do Mundo Romano. Os docentes do curso são quatro especialistas em História Militar do Mundo Antigo e investigadores do Centro de História que oferecem aos interessados uma visão ampla e acessível de diferentes aspectos sobre a guerra e a História Militar do Mundo Antigo.
O curso terá lugar todas as quartas feiras, de 1 de Março até 5 de Abril de 2017, das 18:00 às 20:00.

+info/fonte: www.centrodehistoria-flul.com/abertura/grandes-batalhas-da-antiguidade-curso-livre-ch-ulisboa

Conferência “Património e as Políticas de Reconhecimento/Heritage and the Politics of Recognition” | Oradora: Laurajane Smith | 02 de Março | Colégio de S. Jerónimo – Universidade de Coimbra
Laurajane Smith é professora na School of Archaeology and Anthropology, da qual também é diretora, bem como do Centre for Heritage and Museum Studies, na Australian National University, em Camberra. Nascida na Austrália, trabalhou durante nove anos na University of York, em Inglaterra, na qual dirigiu o curso de Mestrado em Gestão de Património Cultural. As suas publicações incluem Uses of Heritage (2006, Routledge), e as co-organizações de Heritage, Labour and the Working Classes (2011) e Intangible Heritage (2009), encontrando-se a trabalhar na re-edição desta última. Encontra-se ainda a co-organizar Emotion, Affective Practices and the Past in the Present, que sairá em 2017, e a escrever um livro para a Routledge sobre a sua investigação com visitantes a museus e sítios patrimoniais. Foi fundadora da Association of Critical Heritage Studies, é co-editora principal da coleção da Routledge Key Issues in Cultural Heritage e editora do International Journal of Heritage Studies.
A comunicação de Laurajane Smith centra-se numa investigação em curso para um novo livro que, como questão central do seu argumento, explora a utilidade das teorizações em filosofia política sobre diversidade e redistribuição para a compreensão do poder e das consequências do património. As políticas do reconhecimento são uma tentativa tanto de interrogar como de explicar as formas de condicionar as transformações na paisagem política do período posterior aos anos sessenta, nomeadamente no que diz respeito à política das reivindicações identitárias. Defendo que as várias ideias e expressões de património, incluindo o modo como é exposto em museus, podem ser compreendidas, por um lado, como estando embebidas nas políticas do reconhecimento e, por outro, como contribuindo para o entendimento dos diversos graus das lutas para o reconhecimento e a redistribuição em contextos e circunstâncias pós-coloniais (e outras). Sugiro que um enfoque nas políticas do reconhecimento abre novas perspetivas de avaliação e interpretação do impacto político do património, o que exige, por outro lado, uma reapreciação das responsabilidades éticas e políticas dos profissionais do património e dos museus.
+info/fonte: www.patrimonios.pt/conferencia-laurajane-smith/

Workshop de Inventário do Património Cultural Móvel | Formadora: Teresa Campos | 02 e 03 de Março | Museu de Lamego
Divulgar princípios, metodologias e boas práticas para o estudo e inventário das coleções museológicas é um dos grandes objetivos desta ação dirigida a profissionais da área. Desenvolver competências profissionais no âmbito da gestão de coleções museológicas, contribuir para o desenvolvimento do inventário como sector estrutural e estruturante da atividade museológica e perceber a importância da inventariação na gestão e salvaguarda do Património Cultural são outros dos objetivos da formação, que traz ao Museu de Lamego a coordenadora e formadora do Curso de Inventário do Património Cultural Móvel da Rede Portuguesa de Museus desde 2014, Teresa Campos. Ao longo de dois dias, serão vários os tópicos a abordar desde o papel do inventário no contexto amplo das funções museológicas, constrangimentos e potencialidades, planeamento, gestão e controle de qualidade no processo de inventário, mormativos e standards, boas práticas, entre outras temáticas.
O Workshop de Inventário do Património Cultural Móvel é de acesso livre e destina-se a profissionais das áreas da museologia e património e está limitado a 20 inscrições. A inscrição é obrigatória.
+info/fonte: www.museudelamego.pt/workshop-de-inventario-do-patrimonio-cultural-movel/

Curso “A Arte dos Jardins em Portugal” | Formadores: Sónia Talhé Azambuja e Miguel Coelho de Sousa | 04 e 11 de Março | Museu Condes de Castro Guimarães | Cascais
Estão abertas as inscrições para o curso A Arte dos Jardins em Portugal. Este curso tem como objetivo oferecer uma perspetiva geral da História e das características tipológicas dos jardins portugueses. Um curso de nível introdutório, estando dividido em duas partes. A primeira interpreta a evolução da História da Arte nos Jardins Portugueses, desde a Idade Média até aos finais do século XX, bem como os princípios fundamentais da salvaguarda e da recuperação do património paisagístico. A segunda analisa o tema do jardim em Portugal de acordo com as vertentes: Caráter, ambiente, elementos, tipologias, soluções construtivas, espécies e potencial de integração no desenho contemporâneo. Orientadores: Sónia Talhé Azambuja – Professora Convidada de Arquitetura Paisagista da Universidade de Lisboa e da Universidade do Algarve; Miguel Coelho de Sousa – Arquiteto Paisagista.
+info/fonte: www.isa.ulisboa.pt/files/news/pub/CartazCursoArteJardins_Marco2017_WEB2.pdf

Curso Livre “André Soares e a Arte do Minho no seu Tempo” | Formador: Eduardo Pires de Oliveira | Início: 09 de Março | Museu Alberto Sampaio | Guimarães
André Soares (Braga, 1720-1769) foi um criador de obras de arquitetura, talha, ferro, desenho e cartogra fia. A sua grande capacidade financeira permitiu-lhe não precisar de trabalhar. Como era corrente na época, as suas obras dividem-se por duas correntes artísticas: o rococó e o tardobarroco. O rococó chegou a Braga pela mão do arcebispo D. José de Bragança (1741-1756). André Soares benefi ciou do seu apoio ao ser escolhido para desenhar o novo Paço Arquiepiscopal, em que oscilou entre o gosto joanino e os novos valores do rococó. Rapidamente, porém, mudou para o novo estilo, de que são exemplos a nova fachada da Capela de Santa Maria Madalena da Falperra e o Palácio do Raio. Mas também fez muito rapidamente uma nova in exão decisiva: as obras de arquitetura passaram a ter um desenho que se revê num tardobarroco desornamentado e as de talha mantiveram-se num rococó vibrante, ideias que manteve até ao final da sua vida. A sua obra está espalhada um pouco por todo o Norte de Portugal: Braga, Viana do Castelo, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez, Vila Verde, Amares, Esposende, Guimarães, Vila Real e Vila Nova de Gaia (esta perdida).
+info/fonte: www.artis.letras.ulisboa.pt/noticias,12,984,detalhe.aspx

Workshop “State-Rooms of Royal and Princely Palaces in Europe (14th-16th c.): Spaces, Images, Rituals” | 15 a 17 de Março | Lisboa e Sintra
Entre os séculos XIV e XVI, as monarquias europeias desenvolveram uma gradual centralização do poder, acompanhada pela difusão de ideias políticas que contribuíram para a construção de uma nova imagem do príncipe e do seu poder soberano. As residências régias e principescas encontravam-se no centro desse fenómeno. Nestes espaços privilegiados, o soberano acomodava uma comitiva cada vaz mais numerosa e recebia hóspedes e mensageiros vindos de outras cortes. Foi portanto nestes edifícios que a sociedade de corte principiou. A presente iniciativa debruça-se sobre estes palácios, com especial ênfase no que respeita às relações entre a arquitectura, a decoração e os rituais do poder monárquico que decorriam nas suas salas de aparato desde o final da Idade Média até ao princípio da Idade Moderna.
O colóquio é organizado por Torsten Hiltmann (Universidade de Münster), Miguel Metelo de Seixas (Instituto de Estudos Medievais) e João Portugal (Instituto Português de Heráldica) no âmbito do projecto ‘In the Service of the Crown: The Use of Heraldry in Royal Political Communication in Late Medieval Portugal’ (Instituto de Estudos Medievais / Die Performanz der Wappen, Dilthey Fellowship), financiado pela Fundação Volkswagen. É apoiado pelas seguintes instituições: PSML/Palácio Nacional de Sintra; Associação dos Arqueólogos Portugueses; Instituto Português de Heráldica.
Entrada livre. Lugares limitados, necessário reserva.
+info/fonte: http://iem.fcsh.unl.pt/section.aspx?kind=noticia&id=1144

Curso Livre “Compreender as Imagens Medievais – Personagens, Histórias e Mitos através da Arte” | Docentes: Carla Varela Fernandes, Alícia Miguélez Cavero | Início: 16 de Março | Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
principal objectivo do curso é desenvolver conhecimentos e capacidades de análise para auxiliar na identificação, interpretação e descodificação das imagens e narrativas na arte medieval cristã. A Arte, para além de produzir objetos que suscitam emoções e fascínio visual, serviu funções devocionais (arte religiosa), e é também uma fonte histórica, um conjunto de documentos para serem lidos e interpretados a partir das formas e das opções de representação (a par da documentação escrita e dos achados arqueológicos). É, por isso, um precioso auxiliar para o entendimento da História do pensamento e das emoções da Humanidade. As imagens que aqui propomos analisar têm origem nos 10 séculos da designada Idade Média, e foi nesse tempo preciso que se forjaram, desenvolveram e fixaram as principais iconografias da arte ocidental e oriental, as quais tiveram continuidade e transformação nos séculos seguintes, até aos nossos dias. Pretende-se que os alunos tenham uma ampla panorâmica das principais representações que a arte medieval produziu (em Portugal e na restante Europa), focando a atenção nos temas mais representativos e mais disseminados, e respectivas variantes. Da mesma forma, promove-se a capacidade de observação e de estabelecer ligações entre o que as imagens e as narrativas visuais colocam em destaque e as fontes escritas (bíblicas e outras) e de como essas representações se alteraram ou se mantiveram estáveis ao longo dos séculos (do século V ao XV), de acordo com as mutações sociais, políticas, económicas e das mentalidades.
Decorrerá ao longo de treze sessões de duas horas, incluindo sessões em sala de aula e uma sessão num museu com relevante coleção de arte medieval. O curso destina-se principalmente a alunos ao nível da Licenciatura, Mestrado e Doutoramento, mas também a profissionais das áreas do Turismo (Guias-Interpretes) e da Conservação e Restauro, e encontra-se também aberto ao público em geral.
+info/fonte: http://iem.fcsh.unl.pt/section.aspx?kind=noticia&id=1123

8.º Encontro de Casas-Museu em Portugal: “O Culto da Personalidade e o Legado Patrimonial” | 17 de Fevereiro | Palácio de Monserrate, Sintra
Encontro de Casas-Museu em Portugal é anualmente organizado por um grupo de membros do DEMHIST (Comité Internacional do ICOM dedicado às Casas-Museu). O 8.º Encontro terá lugar no Palácio de Monserrate, integrado na Monte da Lua-Parques de Sintra, acolherá este encontro. As comemorações dos 200 anos de nascimento do rei D. Fernando II de Saxe-Coburgo-Gotha, as obras de requalificação em curso e a investigação subjacente ao intenso trabalho de reinterpretação e qualificação dos diversos espaços monumentais geridos pela entidade que acolhe o encontro, deram o mote. Os trabalhos centrar-se-ão assim num dos eixos fundamentais do trabalho em Casas-Museu, a memória do indivíduo e a forma como esta é trabalhada, transmitida e apreendida no espaço único e insubstituível da sua residência.
+info/fonte: http://ml.ci.uc.pt/mhonarchive/museum/jpgXfZBlkL8iO.jpg

Curso Livre “Compreender o Arquivo” | Início: 21 de Março | Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa
Este curso tem como objectivo compreender o arquivo (entendido na sua dupla acepção como instituição e como conjunto documental) a partir da Arquivística, por um lado, e da História e das Ciências Sociais, por outro. Num primeiro plano pretende-se explorar diversas questões ligadas às funções, práticas e métodos do trabalho arquivístico. Num segundo, abordar-se-ão problemáticas que emergiram recentemente da História dos arquivos e da informação e que vieram alterar a relação da Arquivística, da História e das Ciências Sociais com os arquivos.
Em termos de público-alvo, este curso tem como destinatários principais os alunos de licenciatura (História e não só), de modo a despertá-los para este campo de estudo e de profissionalização, que a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa voltará a assegurar no corrente ano lectivo; e os estudantes de mestrado e doutoramento que procurem colmatar lacunas na área. Destina-se ainda ao público em geral e a proprietários ou responsáveis por pequenos e médios arquivos, que têm difculdade em encontrar formação deste tipo.
A acção divide-se em dois módulos. O primeiro módulo – Compreender o arquivo a partir da Arquivística – tem uma componente maioritariamente técnica, ligada ao trabalho arquivístico. O segundo módulo – Compreender o arquivo a partir da História e das Ciências Sociais – tem uma componente maioritariamente teórica, ligada a problemáticas relacionadas com a história dos arquivos e da informação
A acção distribui-se em 11 sessões de 2h. Em cada sessão os conteúdos serão expostos pelos respectivos docentes durante aproximadamente 1h30m, reservando-se o tempo remanescente para debate.
+info/fonte: http://iem.fcsh.unl.pt/imagens/files/IEMActiv_2017_curso_livre_compreender_o_arquivo_programa_WEB.pdf

Colóquio Internacional “Batalhas Fundacionais” | 25 a 27 de Maio | Batalha, Alcobaça, Porto de Mós
Na sequência dos trabalhos da Rede de Municípios com Batalhas Históricas, os dias 25 a 27 de Maio do corrente ano serão consagrados a um Colóquio internacional sobre Batalhas Fundacionais, organizado em colaboração com o Centro de História da Universidade de Lisboa. O evento terá lugar em Porto de Mós (25 de maio), na Batalha (26 de maio) e em Alcobaça (27 de Maio) e irá contar com a participação de historiadores portugueses e estrangeiros de reconhecido mérito científico.
Este evento pretende ser de grande qualidade científica, mas também plural e acessível a toda a comunidade, designadamente a docentes de história ou de outros departamentos disciplinares, alunos e todo e qualquer cidadão que se interesse por estas temáticas, com o objectivo de estabelecer pontes entre o mundo científico e as comunidades educativas e locais.
+info/fonte: www.centrodehistoria-flul.com/abertura/batalhas-fundacionais-coloquio-internacional

International Conference “Gothic Modernisms” | 29 e 30 de Junho | Rijksmuseum | Amesterdão, Holanda
The two-day conference will focus on the (global) legacies, histories and contested identities of Northern European Gothic/early-modern visual cultures in modernity and, in particular, on identities of modernism, including avant-gardes. It explores the pivotal, yet still understudied, reception, construction and invention of Gothic and early-modern art in institutions and museums as well as in art, art historiographies and in broader visual-cultural contexts in the period spanning the 1880s to the 1950s. The conference will develop both a broad perspective in relation to gothic modernisms and a deepening of the issues—methodological, theoretical, aesthetic, archival—pertinent to this subject.
The conference will offer a keynote lecture, fourteen papers from renowned international scholars in art history, museum and heritage studies, cultural history and literary and visual cultures, a round-table with experts, ample room for discussion and a private visit to the exhibition Small Wonders: Gothic Miniatures.
+info/fonte: https://gothicmodernisms.wordpress.com/